Imagem Pessoal: Ame-a ou deixe-a pra lá (mas saiba que há riscos )

Vou lhe propor um desafio: quantas vezes na sua vida você já foi apresentado a alguém e imediatamente, gostou ou desgostou da pessoa? Em poucos segundos, você já criou um histórico daquele indivíduo na sua cabeça e – num julgamento instantâneo – deu seu veredito a respeito dele, mesmo que não condiga com a realidade. Já parou para pensar no que o levou a isso?

Eu posso te responder com duas palavras: imagem pessoal.

Num mundo iconoclasta como o nosso, em tempos de redes sociais que veneram fotos de “flagrantes ensaiados” e vídeos curtos com “espontaneidade calculada”, a maneira como você se apresenta pode ser acessória para seu sucesso, mas seguramente será determinante para seu fracasso. E não basta estar só bem vestido para passar uma boa impressão. Ajuda, mas a imagem pessoal está amparada por três pilares indissociáveis: a aparência, o comportamento e a comunicação.

Aparência no dicionário consta como “configuração exterior (de alguém ou algo); aquilo que se mostra imediatamente”. Sim, assim como um outdoor na estrada, o que se vê primeiro é que vai chamar ou não atenção do outro e criar ou não simpatia ou empatia. E nesse quesito vem a roupa, o cabelo, a maquiagem, a barba, os acessórios, o físico etc. Não confunda, porém, com beleza. Vinicius exagerou quando disse que ela era fundamental. O que é fundamental mesmo é não se mostrar desleixado ou largado.

Já o comportamento diz muito sobre você, porque envolve sua personalidade mais íntima e a forma como você se relaciona com o seu redor e com os outros. O conceito de etiqueta na segunda década do século XXI não se restringe mais em saber qual faca usar com um peixe e sim – dentro de uma determinada situação – entender qual a melhor forma de abordagem, que tipo de atitude tomar ou até mesmo qual o limite entre uma reação passiva ou outra mais contundente.

Por fim, vem a comunicação ou a forma de você se expressar, seja ela verbalmente ou não verbal. Você pode ter um visual incrível, um comportamento exemplar e até mesmo ter um conteúdo, mas não souber colocar ele para fora, vai te fazer tão vazio quanto um pastel de vento.

E o mundo está repleto de personagens que ilustram como a combinação desses pilares fazem a diferença na hora de se vender. Pense em George Clooney, por exemplo. Bonito, bom ator, elegante, relevante, muito bem assessorado nas suas declarações e, mesmo com um humor juvenil em alguns momentos, sempre passa a imagem de um homem íntegro e “boa gente”.

Sua esposa então, a advogada Amal Ramzi Junia Alamuddin Clooney mereceria um texto só para ela. Uma das maiores especialistas no mundo em direito internacional público, direito penal internacional e direitos humanos, Amal é extremamente eloquente, mas não fala sobre assuntos que fujam de seu trabalho, mesmo estando num mundo de celebridades. Ela é um grande exemplo que aparência, aliada a um comportamento adequado e uma exposição coerente daquilo que sabe e pensa, vão formar uma imagem pessoal mais favorável.

Num outro extremo, podemos olhar, por exemplo, para Karol Conká. Não dá para negar a enorme importância que a rapper tem não só no cenário musical brasileiro, mas nas lutas da comunidade negra e das mulheres no país. Sua representatividade para uma boa parcela da população é indiscutível e, de repente, sua imagem pessoal ficou extremamente abalada por um comportamento duvidoso e uma comunicação violenta dentro do um reality show. Milhões de pessoas rejeitaram sua participação no programa, chegando a ser o participante com maior votação na eliminação, mais de 99% dos votos. A cantora afirmou que sua imagem não pode ser resumida a um mês no programa, mas ela é um ótimo exemplo de como descuidos em alguns dos pilares que citei podem abalar seriamente uma carreira de sucesso.

Agora é a hora de você se analisar e definir: será que todos os seus pilares estão firmes e fortes para uma boa imagem pessoal? Como você quer ser percebido? Qual a mensagem quer transmitir através da sua imagem?

O trabalho de uma assessoria de imagem é justamente ajudar a responder e corrigir eventuais questões. É para qualquer um que deseja autoconhecimento, deseja mudanças em sua imagem, independente se o motivo para isso é pessoal ou profissional, se envolve busca por relacionamento, casamento, gravidez, nascimento de filho, divórcio, transições, ascensão de carreira, entre tantas razões.

Uma Consultoria auxilia na construção, na definição de uma imagem e estilo para o cliente, consistente com sua personalidade, preferências, que esteja em sintonia com o seu estilo de vida, habilidades, objetivos, crenças e valores. E não envolve construir um personagem fictício (mesmo porque ele não se sustenta por muito tempo) e sim, ter uma imagem pessoal AUTÊNTICA, adequada e atraente que permita abrir portas na sua vida.

E então, vamos conversar?

Carisma, você tem ou não ?

Eu li há alguns dias um artigo que me chamou a atenção por descrever de modo muito simples o que define uma pessoa como carismática ou não.

Sempre explico aos meus clientes que ser carismático facilita e muito a gestão de imagem, independentemente da carreira.

A escritora de negócios Gwen Moren publicou recentemente um artigo na Fast Company pessoas carismáticas e suas características . “Todos têm uma definição diferente do que é carisma, mas pode ser interpretado tanto como a qualidade que fazem as pessoas fazerem o que você quer que elas façam, assim como pode ser o que faz as pessoas se perguntarem quem é a pessoa entrando na sala”, diz Gwen.

Mas carisma não é um dom secreto que nasce com você. Gwen, então, criou seis áreas chaves para serem trabalhadas e, assim, ajudar no seu magnetismo pessoal.

1 – Poder

Poder não está ligado ao cargo profissional. Poder é, na verdade, uma combinação de confiança, linguagem corporal, expressões faciais e voz.

“Isso é como as pessoas te percebem. Pessoas carismáticas nem sempre são aquelas com vozes doces e risadas boas. Elas possuem foco e são confortáveis consigo mesmas. Sabem como se portar em todas as situações e como usar suas vozes, seja para confortar, seja para liderar”, diz Gwen. “Uma dica para isso, é sempre ficar focado no que está fazendo agora durante uma conversa. Ao pensar no que vem depois, você pode se distrair e fazer linguagens corporais ou expressões que demonstrem isso”, completa.

2 – Persuasão

“Pessoas com magnetismo pessoal são capazes de atrair outros para sua maneira de pensar, e isso é extremamente importante para possuir carisma, pois nenhuma ideia, não importa o quão brilhante, chega a algum lugar caso não seja tomada por pessoas diferentes. É necessário ter entusiasmo sobre o que você está fazendo ou falando, demonstrando-se digno de confiança e bem informado sobre o assunto”, explica Gwen.

3 – Imagem

Segundo Gwen, “são necessários apenas algumas frações de segundo para pessoas formarem opinião sobre você, e, a partir do momento que ela é formada, é difícil mudar”. Um recente estudo da Universidade de Glasgow e da Universidade de Princeton descobriu que as pessoas percebem você em menos de um segundo.

“Então, preste atenção em como você se apresenta. Não é necessário andar de terno e gravata a todo instante, mas tenha certeza que como você está vestido e como você se porta reflete quem você é, o ambiente em que você está e aonde você quer chegar”, diz a escritora.

4 – Habilidades interpessoais

“Pessoas carismáticas são boas em ouvir e se comunicar com os outros, e isso vai bem além de só falar. É necessário entender e respeitar o espaço e o tempo dos outros. Eles não falam além do necessário com quem não gosta de ouvir muito e eles não se atrasam com quem não tolera atrasos. Ou seja, saber interagir sem deixar as pessoas desconfortáveis”, diz Gwen. “Conforto é a palavra chave para esse ponto. As pessoas irão procurar isso em seu olhar quando te encararem e querem ouvir isso no tom da sua voz”, completa.

5 – Adaptabilidade

A habilidade de tratar os outros da forma que eles querem ser tratados, não importa como você se sinta sobre isso, é adaptabilidade. Isto é, abraçar diversidade e todas as suas formas, entendendo que cada indivíduo é diferente. Quando o cenário muda, pessoas carismáticas fazem um esforço para entender e ajustar sua forma de se relacionar.

6 – Visão

“Pessoas carismáticas tem um plano ou mensagem sobre o que as entusiasma, e elas são capazes de passar essa visão e paixão para outros. Quais suas ideias? O que te anima? Para ser mais carismático, trabalhe em projetar esta crença e esse compromisso (e como vai beneficiar seu público) em como você fala e se relaciona com os outros”, explica Gwen.

As  áreas  podem ser desenvolvidas através de um trabalho de  Estratégia de Imagem , um especialista irá orientá-lo em como melhor desenvolver sua habilidades.

Lilian Riskalla