Imagem em Tempos de Pandemia

Acredito que ainda vá levar muito tempo para que tudo o que essa pandemia do COVID nos trouxe em termos de mudanças de paradigmas e formas de pensar seja desvendado e trabalhado, mas não dá não falarmos em como a posição de cada um frente à epidemia e suas consequências pode influenciar na imagem pessoal.

Se leu meus textos anteriores sabe que comportamento é um dos tripés na formação de sua imagem frente a terceiros. E um comportamento leviano ou extremista nunca cai bem se você tiver mais que 17 anos de idade.

É óbvio que, com a experiência de anos em analisar pessoas e imagem pessoal, não criei nenhuma expectativa de comportamento para ninguém em relação ao caos formado. Cada um reage de uma forma frente a uma situação extrema. Acontece, porém, que pesquisando a origem da palavra caos, vi que uma das traduções para o nome dessa divindade grega é algo como “corte” ou “separação”. E inevitavelmente estamos cortando ou separando as pessoas por suas reações à pandemia.

E essas reações passam por críticas, negação, brigas, Fake News, opiniões exacerbadas e muito barulho. Tudo isso causado por um cenário repleto de pessoas doentes, mortes, negócios falindo, fome e depressão.

Tentar silenciar tantos sentimentos pode parecer extremamente difícil, mas perante isso, manter uma imagem plena e madura é primordial. E uma das formas mais contundentes de não parecer radical de nenhum lado é simplesmente seguir as regras colocadas. Se as autoridades sanitárias mundiais e brasileiras determinam algo, é só saber seguir.

Há permissão para encontros em pequenos grupos, em restaurantes ou em casa? Então vá, garantindo que o grupo é sim, pequeno. Houve restrição governamental a esses “passeios”? Não vá.  É permitido fazer exercícios físicos ao ar livre? Vá e divirta-se! Foi proibido? Fique em casa.

O que não se pode transmitir é uma imagem de afronta ou desafio. Pessoas que vão à praia, mesmo fechada, que frequentam baladas clandestinas ou festas – mesmo familiares – lotadas de gente, sabendo que não é nem permitido, nem recomendando, acabam se queimando com as pessoas que estão respeitando as normas e algumas dessas pessoas podem realmente te cortar de suas convivências.

Também existe a questão da ostentação. Se você fugir da pandemia indo para Dubai, Maldivas ou até mesmo para um resort no Brasil é ótimo para você. Mas entenda que ficar postando as viagens exaustivamente nas redes vai mostrar uma insensibilidade frente às milhares de pessoas que estão sofrendo pela perda de um ente querido, pelo fim de seu emprego ou negócio ou por todas as desgraças que a doença trouxe para a população do planeta.

A aqueles que possuem cargos de liderança e que devem dar o exemplo então, a coisa fica muito mais contundente, haja vista o caso do Governador interino do Rio de Janeiro que proibiu festas no estado, menos a de seu próprio aniversário; ou da influencer e musa fitness Gabriela Pugliesi, que reuniu amigos numa festa em seu apartamento no auge da pandemia   em 2020 e teve que fugir das redes (voltou agora com uma separação ruidosa, o que não colabora muito também) e ainda o astro do Flamengo, Gabriel Barbosa, conhecido por Gabigol, que foi flagrado pela polícia em duplo delito, furando o isolamento social em São Paulo e num cassino clandestino, ainda por cima. Numa entrevista ao Fantástico, o jogador ainda tentou justificar que tinha saído para jantar com amigos e não sabia onde ia, mas os assessores do atacante esqueceram de avisar a a ele que na época os restaurantes e bares da capital paulistana estavam fechados.

Por fim, outro fator importante a considerar nesse momento de tantas ebulições de divisão no Brasil é que, independente da sua posição ideológica e política, fomentar discursos de ódio pela atitude alheia, tão diferente da sua, especialmente em redes sociais, pode trazer resultados funestos quando tudo voltar ao normal.

Não estou aqui defendendo lockdown, políticas governamentais ou até mesmo não levando em conta que existem pessoas que não conseguem ou podem se isolar devido a seus trabalhos ou condição social. Acredito, no entanto, que estamos num momento – até mesmo previsto por alguns místicos de alguns anos para cá – onde somos obrigados a entrar num processo de reflexão, autoanálise e consequente evolução.

Na mitologia grega, do Caos nasceram Nix e Érubus, a noite e a escuridão, e ambos uniram-se para a geração de novas divindades  e dos seres vivos. Foi do Caos, junto com sua filha Nix, que surgiram as Moiras, deusas do Destino. Então, pela analogia, do caos da pandemia, você pode mudar seu destino e sua imagem, mantendo-se sereno, reflexivo e coerente.

E se precisar de ajuda para esse fim, não hesite em me procurar.

Aprendendo sobre Imagem Pessoal com o BBB21

 

No meu último texto, sobre o fundamento e base da imagem pessoal, citei a rapper Karol Conká e sua passagem pelo reality show de maior sucesso no Brasil, o Big Brother. A artista entrou no programa como uma das favoritas, embalada por um sucesso fenomenal nas redes sociais e na música e por uma postura de luta contra o racismo e o machismo. Exemplo inquestionável como líder feminista, Karol tinha fãs ardorosos até mesmo dentro da casa. Seus problemas começaram quando passou a mostrar um comportamento muito além da imagem pública. Incisiva demais, briguenta demais e brava demais, Karol chegou a ser acusada até mesmo de xenofobia por comentários infelizes sobre a nordestina Juliette. Seu “em Curitiba nós temos educação” soou como uma frase absolutamente arrogante, reforçando a eterna divisão Norte/Sul no Brasil. Foi eliminada com mais de 99% dos votos, teve uma pequena ajuda da Globo para recuperar a imagem e está em silêncio faz algumas semanas.

Outro que fez um papelão no começo do programa e está numa fase “folclórica” é o ator e cantor Fiuk, filho de Fábio Jr. Nos primeiros programas, o rapaz tentou se mostrar uma pessoa antenada com os problemas sociais brasileiros, externando – às vezes com choro – fortes preocupações com racismo, misoginia, pobreza etc. Quem acompanhava o programa porém, começou a desconfiar da postura do rapaz e no Twitter noticiou-se que ele contratou uma coach para prepara-lo nesses assuntos antes de entrar na casa. Obviamente que o tempo de preparo foi demasiadamente curto e Fiuk passou uma imagem de produto falsificado.

Ontem foi a vez de um dos grandes parceiros de Karol Conká no programa, o também rapper Projota, sair da casa. Assim como sua amiga, o músico foi considerado um dos maiores favoritos a vencer a prova, tendo sido pivô de um dos grandes momentos da edição, o bate-papo com o também confinado (e seu fã confesso), Lucas. Coerente e maduro nas palavras, Projota foi além do discurso, se comprometendo a bancar uma terapia ao “brother” problemático. O fato o fez ganhar milhares de novos apoiadores nas redes sociais e um elogio direto de Tiago Leifert, que o parabenizou pelo “enquadro”. E aí, as coisas passaram a dar errado. Projota pareceu entender que, ao ser louvado pelo apresentador, ele tinha liberdade para criticar e dominar qualquer colega que não se comportasse como ele queria. Além disso, o rapaz que cantava a dura vida na periferia mostrou-se bastante acostumado a outro tipo de rotina, criticando toda comida servida, fazendo birra em brincadeiras e demonstrando certa impaciência com o jogo. Uma matéria no UOL ainda apontou que o cantor que fez sucesso com a canção “Muleque de Vila” se comportava como “Piá de Prédio”, expressão sulista para menino mimado.

Por mais que você possa odiar o reality show global, existem grandes lições para se aprender nessa edição e aplicar na questão da imagem pessoal.

É muito difícil separar personas públicas da privada. Obviamente que certas características pessoais podem ser disfarçadas ou suprimidas. Você pode ser um grande piadista na família e entre amigos e muito sério e contido no trabalho, mesmo porque tem o bom senso de entender que seu meio profissional assim o exige. Mas não adianta tentar ser absolutamente cheio de virtudes e qualidades sob os holofotes, quando os seus defeitos aparecem na intimidade ou em momentos de distração.

Questões que envolvam princípios morais e éticos não podem ser “ensaiadas” para serem transmitidas em público. Ou você as tem no seu core ou não. Fingir ser um liberal quando no fundo é mais conservador que embalagem de Maisena pode até te fazer popular por um período e dento de um pequeno grupo, mas seguramente o verdadeiro self vem à tona em um determinado momento e vai causar mais que estranheza, vai gerar revolta, decepção e abandono.

Isso não significa, porém, que você não pode mudar de ideia, de opinião, nem de valores. Estamos nessa existência para evoluir, nos tornar pessoas melhores, por isso em nome desse desenvolvimento e de sua imagem interna e externa, mude quando sentir necessário. Só que mude de verdade.

E mais, nessa evolução pessoal nada lhe impede de mudar radicalmente de estilo de vida. Uma carreira vitoriosa vem – na maioria dos casos – acompanhada de sucesso financeiro e ascensão na escala social. Só tome cuidado em não tentar se vender como algo que você não é mais. O melhor é ter respeito, carinho, admiração e muito senso de humor com seu passado.

E termino com a famosa frase que já foi atribuída a Lincoln (mas parece que não é): “você pode enganar uma pessoa por muito tempo; algumas por algum tempo; mas não consegue enganar todas por todo o tempo”.

Seja você.

E se quiser descobrir novas facetas do seu ser, fale comigo para uma avaliação completa de sua imagem pessoal e profissional.

 

 

Imagem Pessoal: Ame-a ou deixe-a pra lá (mas saiba que há riscos )

Vou lhe propor um desafio: quantas vezes na sua vida você já foi apresentado a alguém e imediatamente, gostou ou desgostou da pessoa? Em poucos segundos, você já criou um histórico daquele indivíduo na sua cabeça e – num julgamento instantâneo – deu seu veredito a respeito dele, mesmo que não condiga com a realidade. Já parou para pensar no que o levou a isso?

Eu posso te responder com duas palavras: imagem pessoal.

Num mundo iconoclasta como o nosso, em tempos de redes sociais que veneram fotos de “flagrantes ensaiados” e vídeos curtos com “espontaneidade calculada”, a maneira como você se apresenta pode ser acessória para seu sucesso, mas seguramente será determinante para seu fracasso. E não basta estar só bem vestido para passar uma boa impressão. Ajuda, mas a imagem pessoal está amparada por três pilares indissociáveis: a aparência, o comportamento e a comunicação.

Aparência no dicionário consta como “configuração exterior (de alguém ou algo); aquilo que se mostra imediatamente”. Sim, assim como um outdoor na estrada, o que se vê primeiro é que vai chamar ou não atenção do outro e criar ou não simpatia ou empatia. E nesse quesito vem a roupa, o cabelo, a maquiagem, a barba, os acessórios, o físico etc. Não confunda, porém, com beleza. Vinicius exagerou quando disse que ela era fundamental. O que é fundamental mesmo é não se mostrar desleixado ou largado.

Já o comportamento diz muito sobre você, porque envolve sua personalidade mais íntima e a forma como você se relaciona com o seu redor e com os outros. O conceito de etiqueta na segunda década do século XXI não se restringe mais em saber qual faca usar com um peixe e sim – dentro de uma determinada situação – entender qual a melhor forma de abordagem, que tipo de atitude tomar ou até mesmo qual o limite entre uma reação passiva ou outra mais contundente.

Por fim, vem a comunicação ou a forma de você se expressar, seja ela verbalmente ou não verbal. Você pode ter um visual incrível, um comportamento exemplar e até mesmo ter um conteúdo, mas não souber colocar ele para fora, vai te fazer tão vazio quanto um pastel de vento.

E o mundo está repleto de personagens que ilustram como a combinação desses pilares fazem a diferença na hora de se vender. Pense em George Clooney, por exemplo. Bonito, bom ator, elegante, relevante, muito bem assessorado nas suas declarações e, mesmo com um humor juvenil em alguns momentos, sempre passa a imagem de um homem íntegro e “boa gente”.

Sua esposa então, a advogada Amal Ramzi Junia Alamuddin Clooney mereceria um texto só para ela. Uma das maiores especialistas no mundo em direito internacional público, direito penal internacional e direitos humanos, Amal é extremamente eloquente, mas não fala sobre assuntos que fujam de seu trabalho, mesmo estando num mundo de celebridades. Ela é um grande exemplo que aparência, aliada a um comportamento adequado e uma exposição coerente daquilo que sabe e pensa, vão formar uma imagem pessoal mais favorável.

Num outro extremo, podemos olhar, por exemplo, para Karol Conká. Não dá para negar a enorme importância que a rapper tem não só no cenário musical brasileiro, mas nas lutas da comunidade negra e das mulheres no país. Sua representatividade para uma boa parcela da população é indiscutível e, de repente, sua imagem pessoal ficou extremamente abalada por um comportamento duvidoso e uma comunicação violenta dentro do um reality show. Milhões de pessoas rejeitaram sua participação no programa, chegando a ser o participante com maior votação na eliminação, mais de 99% dos votos. A cantora afirmou que sua imagem não pode ser resumida a um mês no programa, mas ela é um ótimo exemplo de como descuidos em alguns dos pilares que citei podem abalar seriamente uma carreira de sucesso.

Agora é a hora de você se analisar e definir: será que todos os seus pilares estão firmes e fortes para uma boa imagem pessoal? Como você quer ser percebido? Qual a mensagem quer transmitir através da sua imagem?

O trabalho de uma assessoria de imagem é justamente ajudar a responder e corrigir eventuais questões. É para qualquer um que deseja autoconhecimento, deseja mudanças em sua imagem, independente se o motivo para isso é pessoal ou profissional, se envolve busca por relacionamento, casamento, gravidez, nascimento de filho, divórcio, transições, ascensão de carreira, entre tantas razões.

Uma Consultoria auxilia na construção, na definição de uma imagem e estilo para o cliente, consistente com sua personalidade, preferências, que esteja em sintonia com o seu estilo de vida, habilidades, objetivos, crenças e valores. E não envolve construir um personagem fictício (mesmo porque ele não se sustenta por muito tempo) e sim, ter uma imagem pessoal AUTÊNTICA, adequada e atraente que permita abrir portas na sua vida.

E então, vamos conversar?

Qual o seu estilo? Como usar a seu favor ?

Você conhece seu estilo? Aprenda como usá-lo a seu favor no ambiente de trabalho. O que é adequado para cada situação, as cores e formas adequadas. Como transmitir a mensagem adequada quando se veste para trabalhar. Quer saber mais ? Venha para o Workshop “ Os Pilares da Imagem da Mulher de Sucesso, modelo II

 

Imagem é Percepção . Você sabe qual a percepção os outros tem sobre você?


Imagem é Percepção . Você sabe qual a percepção os outros tem sobre você?

A máxima de que a primeira impressão é a que fica. Pois é, ela fica mesmo, é verdadeira. Estudos apontam que em 30 segundos você é capaz de formar uma lista de impressões completa sobre o caráter e a habilidade da pessoa observada. Isto vale também para aqueles que nos observam.

Nos Estados Unidos, por exemplo, uma pesquisa com 150 empregadores revelou que a maior razão de rejeição é má aparência – mais até do que atraso ou hostilidade. “Reações desse tipo estão impregnadas na sociedade, desde os tempos em que nossa sobrevivência dependia se éramos astutos e rápidos para medir uma situação de perigo. Somente os que podiam ‘ler’ os outros apuradamente viviam para lutar no dia seguinte”.

Nós  temos meio minuto para formar uma boa imagem,  pois naquela lista estão pontos como educação, sucesso, personalidade, nível de sofisticação e confiança, senso de humor e nível social. “Infelizmente, esse tempo não é suficiente para mostrar todas as habilidades, currículo, talentos, treinamento e uma lista substancial que satisfaça entrevistadores e clientes”.

O primeiro julgamento, precipitado na maioria das vezes, é muito difícil de ser alterado. “Em um encontro inicial tendemos a tratar os outros como objetos, dando ênfase a como eles se parecem e soam a você. Às vezes, não temos uma segunda chance para mudar esta impressão”

As pessoas frequentemente vêem e ouvem apenas o que estão condicionadas, de acordo com suas próprias crenças e valores. Psicólogos chamam isto de “Halo Effect” (ou efeito aura, numa tradução livre). “Nós nos fechamos em um padrão que acreditamos ser verdade e deixamos de fora qualquer coisa contrária. Quando a mensagem visual é positiva, a pessoa que você acabou de conhecer tenderá a achar que todos os aspectos sobre você são igualmente positivos. Estará menos propicia a notar algum pequeno ato que possa resultar em uma impressão negativa. Se sua mensagem visual é negativa, o novo cliente ou empregador ou mesmo um novo namorado pode não gastar tempo e esforço para descobrir a talentosa ou interessante pessoa que você é”.

Para causar uma boa impressão é determinante saber se sua imagem atual reflete sua personalidade, profissionalismo, sucesso, estilo de vida,etcc

Imagem é estabelecer de forma deliberada uma favorável impressão para ajudar os outros a acreditar na evidência do que eles vêem. Se você apresenta um visual e se comporta como uma pessoa de sucesso as pessoas responderão de acordo

“O desafio é ser percebido pelos outros como um retrato acurado desenvolvido de si mesmo”.

Nossos serviços auxililiam os profissionais em Comunicação, Comportamento, Liderança e Marketing Pessoal .
Quer saber mais ? Entre em contato conosco para conhecer os nossos workhops, cursos e serviços pessoais e corporativos. Envie um email para :
contato @lilianriskalla.com.br
Ou telefone
(11) 981332332