Cinco passos para uma pele perfeita e linda

Cinco passos para uma pele perfeita e linda
1. Uma boa alimentação, o cuidado começa de dentro para fora.
2. Água é fundamental para manter a pele perfeita e hidratada.
3. Use sempre produtos de qualidade em sua maquiagem. Sempre de acordo com o seu tipo dele pele.

 


4. Uma boa noite de sono é um verdadeiro tônico para pele. Uma noite bem dormida é tudo na vida de uma mulher.
5. Curta o vapor do chuveiro e faça esfoliações faciais. Uma vez por semana é o suficiente.

A idade se mede pelos dentes

Você sabia que podemos medir a idade pelos dentes ?No post de hoje , entrevista com o Dr. Carlos Loureiro, sobre o envelhecimento dos dentes, confira !!!!!!

1. Podemos notar sinais de envelhecimento nos dentes?  Quais são estes sinais?

Devemos lembrar que os dentes são evidenciadores da passagem do tempo. Com o envelhecimento, os dentes tendem a ficar mais escuros, apresentando trincas e desgastes que modificam a anatomia original levando ao encurtamento das coroas. Dentes mais curtos comprometem sua visibilidade na fala e sorriso, principalmente em pessoas mais idosas onde o lábio superior perde sua tonicidade, escondendo ainda mais os dentes. Dentes pouco visíveis conferem uma sensação de “falta dos dentes” nas relações interpessoais.

Próximo dos 40 anos, com variáveis para cada pessoa, existe a tendência dos dentes inferiores entortarem, o que pode comprometer o alinhamento e harmonia estética e funcional.

Problemas gengivais decorrentes de má escovação, posição do dentes e trauma poderão levar a retrações com exposição gengival e sensibilidade nas raízes. A ausência de controle poderá levar a uma perda óssea aumentando a mobilidade e, em casos mais extremos, à movimentação patologia e perda dental.

Devemos lembrar, ainda, que pessoas que têm hábitos de apertar, ranger, morder objetos, etc antecipam este desgaste e consequentemente, o envelhecimento do sorriso. O mesmo acontece com os hábitos como fumo, uso exagerado de bebidas como café, chá, vinhos tintos, etc que propiciarão escurecimento por depósito nas superfícies e subsuperfícies do esmalte dental, levando ao escurecimento exagerado.

2. Existem maneiras de prevenir ou retardar o processo?

Controles periódicos, modificação dos hábitos alimentares e reforço nas técnicas de higiene, contribuirão para manter a boca sempre saudável. A periodicidade destes controles sempre dependerá de quão cuidadoso for o paciente.

Pacientes que apertam e rangem os dentes deverão usar placas de bruxismo para evitar o desgaste e deterioração precoce dos dentes

Tratamentos ortodônticos e cirurgia ortognática são os grandes aliados na prevenção dos problemas decorrentes de dentes e/ou arcadas mal posicionadas, inclusive em adultos.

3. Quais são os tratamentos para rejuvenescimento?

Para repor os dentes perdidos, os implantes osseointegrados são a primeira opção, não descartando as próteses fixas convencionais.

Os dentes escuros poderão ser clareados e se houver desarmonia estética, com uma análise da face, sorriso, posição dos dentes e características emocionais é possível reconstruir um sorriso totalmente personalizado. Dependendo de cada caso, os dentes poderão ser reconstruídos com resina composta ou com facetas ou coroas em cerâmica.

Após a eliminação das causas, existem técnicas de plástica gengival para expor e aumentar dentes curtos e cobertos pela gengiva ou cobrir raízes expostas pela retração da gengiva.

As restaurações das proporções dentais devolvem harmonia, propiciam maior visibilidade dental e aprimoram a fonética.

4. E quanto à comunicação, como pode interferir?

A ausência de espaços e dentes superiores com as bordas bem posicionadas favorece a precisão nas pronúncias das consoantes e a correta articulação das palavras, associada à natural ajuda de comunicação dada pelo sorriso, colabora para manter a atenção do receptor.

5. Quais são os benefícios para a pessoa?

Num tempo em que quase tudo é usado para passar uma imagem mais jovial ou atenuar os efeitos da idade, como pintura para cabelos, cremes para a pele, proteína botulínica, aplicações de raios laser, implantes ou apliques de cabelos, uso de adornos, tais como óculos e brincos, além de plásticas de todo tipo, dentre outros, ficou difícil saber a idade de alguém.

Gastar tanto em rejuvenescedores temporários e não investir em um que é quase permanente é no mínimo um contra senso. Isso mesmo, a maioria dos tratamentos rejuvenescedores precisa ser refeita de tempos em tempos e o cuidado com os dentes tem a vantagem de ser algo duradouro.

Afora isso, enquanto a maioria ajuda só na aparência, os tratamentos dentários melhoram a qualidade de vida da pessoa, por lhe permitirem uma melhor mastigação e desfrutar dos prazeres da mesa, além de não sobrecarregar outro órgão, no caso o estômago, pela falta de alguns dentes ou próteses inapropriadas.

A estética dental resgata a autoestima e favorece as relações e convívios interpessoais.

É importante salientar que não existe melhora facial completa se não houver a adequada harmonização do sorriso.

Carlos Loureiro Neto

Odontologia estética

www.carlosloureiro.com.br

 

 

 

 

 

 

Carnaval e Saúde Bucal

O carnaval está chegando. Serão quatro dias de muita alegria e, para alguns, também de muitos excessos que podem trazer consequências graves para a saúde durante a folia e ao longo da vida.

 

Para que o sorriso não seja prejudicado, a Associação Brasileira de Odontologia (ABO) recomenda não descuidar da saúde bucal, importante para a saúde de todo o corpo.

A boca é porta de entrada para bactérias e vírus. Para quem a usa de forma displicente é importante saber que cerca de dois bilhões de bactérias habitam uma única gota de saliva. Além delas, um vírus, o Epstein-Barr, que causa a mononucleose infecciosa, precisa apenas do contato direto da mucosa com a saliva contaminada para ser transmitido. Ou seja, um “beijo de língua” pode acabar sendo prejudicial. “Não é à toa que a mononucleose infecciosa é conhecida como a doença do beijo”, lembra a estomatologista Maria Carméli Sampaio, consultora da ABO, que diz que o aumento da incidência da doença após o carnaval é notório nas clínicas de infectologia e nos consultórios odontológicos.

A doença do beijo é caracterizada por mal-estar, febre, dor de cabeça e de garganta, aumento de gânglios, ínguas no pescoço e inflamação leve e transitória do fígado (hepatite). Para evitar esses problemas, uma vida sem excessos é o melhor caminho. Como se trata de um vírus, é importante que o indivíduo não tenha baixa resistência imunológica, alimente-se e durma bem, consuma complementos vitamínicos e outros. Segundo a estomatologista, o mesmo vale para outras doenças que podem ser transmitidas pelo beijo, como tuberculose, hepatite e sífilis. Uma higienização oral frequente ajuda a evitar outros problemas, como a transmissão de cárie, que também se aproveita da troca de salivas.

 

Sexo oral e DSTs

Se o beijo pode ser uma via de transmissão de doenças, o sexo oral, pelos contatos mais íntimos entre os organismos envolvidos, é uma via expressa, deixando o corpo à mercê de uma série de riscos. O cirurgião-dentista é capacitado para diagnosticar doenças sexualmente transmissíveis (DSTs) na cavidade bucal, prestando os primeiros esclarecimentos e encaminhando o paciente ao tratamento adequado.

Segundo Maria Carméli Sampaio, uma das DSTs de maior incidência após o carnaval é o condiloma acuminado, conhecido como crista de galo, lesão na esfera genital causada pelo Papilomavirus Humano (HPV). “É importante que o sexo oral também seja praticado com camisinha, porque os riscos de contágio dessa doença são grandes”, aconselha.

Outras doenças que podem ser mais facilmente transmitidas por via oral são a gonorreia, caracterizada por vermelhão, ardência e prurido na mucosa, e a sífilis, ferida indolor no lábio ou língua. Além dos cuidados antes selecionando bem o parceiro e durante usando preservativo, é importante não descuidar depois. A visita regular ao cirurgião-dentista pode ser decisiva por facilitar o diagnóstico precoce de diversas doenças relacionadas à cavidade bucal.

 

Drogas e saúde bucal

O abuso de álcool e outras drogas também se refletem na boca. A mucosa bucal é uma ótima via de aplicação de entorpecentes, pois muitos deles são colocados sob a língua. “O mesmo vale para o álcool, que causa descamação mais intensa da mucosa. O risco de queimaduras é grande”, alerta a consultora da ABO. Para ela, o efeito solubilizante do álcool aumenta a permeabilidade das células da mucosa aos agentes carcinogênicos.

O consumo de outras drogas pode ser igualmente prejudicial. As inalantes (lança-perfume, éter, clorofórmio), bastante populares no carnaval, além de perda de consciência e morte por parada cardíaca ou respiratória, podem causar queimaduras na boca, sensibilidade dentinária e maior probabilidade de problema periodontal.

Outra grande campeã de público no carnaval é a cocaína, especialmente entre os jovens. Em pesquisa realizada pelo Hospital das Clínicas em São Paulo com pacientes adolescentes internos, a cocaína, que provoca sensação de dinamismo e potência, é a segunda droga mais consumida, perdendo apenas para a maconha. “Além de todos os outros problemas mais conhecidos, o uso da cocaína pode causar erosão nos colos cervicais dos dentes, maior formação de cálculo, ressecamento da mucosa da cavidade bucal e maior incidência de descamação gengival”, especifica

Maria Carméli.

Colaboração: Dr. Carlos Loureiro

Fonte: ABO
Revsta Odonto magazine

Protetores esportivos

Olá,

Aproveitando a visibilidade dos campeonatos de lutas MMA (Mixed Martial Arts que significa Artes Marciais Mistas,a popularização do UFC e a crescente prática dos esportes radicais, convidei o Dr. Carlos Loureiro para escrever mais uma matéria, desta vez sobre os protetores bucais, essenciais para preservação dos dentes na prática destas modalidades de esportes .Confira !

A prática de esportes contribui para o desenvolvimento da crianças  e deve ser inserida em sua vida já nos primeiros anos.

Como a grande tendência da atualidade são os esportes radicais, de contato, impacto e artes marciais como MMA, boxe, judô, capoeira, karatê, taekwondo, jiu-jítsu, futebol, basquetebol, voleibol, handebol, beisebol, ciclismo, mountain bike, moto-cross, skate, alpinismo, canoagem, surfe, hóquei, rugby e equitação, é importante pensar em preservar os dentes de nossas crianças, adolescentes e adultos.

Os traumatismos dentais podem ser prevenidos com o uso de protetores que são dispositivos intrabucais usados no arco superior, durante a prática esportiva, para proteger lábios, dentes e articulações, reduzindo a possibilidade de traumas. É necessário analisar previamente a saúde bucal do esportista quanto ao aspecto gengival e dental. Quaisquer alterações como gengivite, cáries, restaurações e próteses insatisfatórias deverão ser tratadas antes da confecção do protetor.

Existem três tipos de protetores bucais:

1º – Encontrados em lojas esportivas, pré-fabricados, que geralmente se apresentam em três tamanhos (pequeno, médio e grande). São de baixo custo, no entanto, de eficácia duvidosa, pela falta de adaptação na boca, podendo ainda interferir na respiração e na fala. Podem deslocar-se ou soltar-se facilmente em um impacto.

2º – Compostos de uma moldeira rígida e material de preenchimento resiliente, auto-polimerizáveis ou polimerizados por calor, sendo necessário aquecê-los para “adaptá-los” aos dentes, através da mordida. Apesar de ser o tipo mais usado, não se adaptam perfeitamente à boca e podem deslocar-se, causando ferimentos e interferindo na respiração e fala.

3º – Confeccionados pelo dentista, individualizados e obtidos a partir dos modelos dos arcos dentais do atleta. Feitos em E.V.A (etileno acetato de vinila). Não interferem na respiração nem na fala e permitem a ingestão de líquidos, sendo mais confortáveis. Além disso, não se deslocam facilmente da boca durante a prática esportiva. É possível confeccioná-los em 3 níveis de proteção: leve, médio e pesado.

 

O protetor impede que os dentes recebam os impactos diretos sobre a face, amortecendo e redistribuindo a força, evitando deslocamentos e/ou fraturas dos dentes anteriores, posteriores, da mandíbula e mantendo os tecidos moles (lábios e bochechas) distantes dos dentes, o que diminui o risco de cortes e lacerações.

O protetor não vai apenas proteger o atleta dos traumas, mas também auxiliar a parte de memória, de postura e de equilíbrio. Às vezes, as pessoas esquecem de que além dos dentes existem problemas da Articulação Temporomandibular – ATM e da Disfunção Temporomandibular – DTM. Minimiza as concussões, hemorragias cerebrais e fraturas de crânio. Além disso, a utilização do protetor bucal pode proporcionar ao atleta ou esportista eventual maior segurança psicológica, melhorando seu desempenho.

A Academia Americana de Odontologia Esportiva afirma que o uso deste aparelho diminui em até 80% os riscos de trauma dental. Cada atleta envolvido em esportes de contato tem 10% de chance de sofrer um acidente dental ou oral. Dados divulgados pela National Youth Sports Fundation revelaram que cerca de 5 milhões de dentes são perdidos por anos em atividades esportivas. A American Dental Association – ADA – constatou que pelo menos 200 mil traumas são evitados devido ao uso adequado dos protetores bucais.

Um motivo pelo qual esse índice é elevado está associado ao apertamento dental com a prática de alguns esportes, sendo um ato inconsciente agravado por situações de estresse, nervosismo, ansiedade, além de esforços que envolvam forças musculares de contração. Amaral e Baldan (2007) citam em um estudo que a carga excessiva diária deste apertamento dos dentes gera complicações prejudiciais para o atleta e pode repercutir em seu desempenho.

O uso do aparelho ortodôntico constitui mais uma indicação para utilização do protetor bucal na prática esportiva, pois os “brackets” em contato com os tecidos moles da boca facilitam cortes e lacerações. Nesse caso, é importante enfatizar a necessidade de protetor duplo (no arco superior e inferior).

Os protetores devem ficar guardados em caixas perfuradas, longe da exposição ao sol, evitando deformação. A higienização deverá ser feita com escova, creme dental e água fria.

O protetor bucal pode durar um ano e tem um desgaste muito exagerado. Se perder a espessura, compromete a estabilidade de proteção e a estabilidade mandibular. Deve-se controlar com freqüência sua adaptação à boca, especialmente em crianças e adolescentes, devido à dinâmica de crescimento e transição entre dentes de leite e permanentes, bem como em pacientes com tratamento ortodôntico.

Dr. Carlos Loureiro

Fontes:

- Revista da APCD – Agosto de 2002

- APCD Jornal – Junho de 2009

- Odontologia desportiva

http://www.efdeportes.com/efd113/odontologia-desportiva.htm

- Amaral EA, Baldan CM. Atleta o apertamento dental relacionado a ocupações esportivas. Anais eletrônicos do 25º Congresso internacional de odontologia de São Paulo – CIOSP, 2007

 

Réveillon: roupa branca, dentes brancos

Olá,

Esta semana fomos brindados com mais uma coluna do Dr. Carlos Loureiro, especialmente escrita para o Blog!

Aproveitem, tenho certeza que vão gostar .

Sinônimo de beleza, jovialidade, limpeza e auto-estima, dentes branco fazem parte do desejo da maioria das pessoas.

A cor dos dentes é uma característica herdada geneticamente e modificada por fatores como idade, hábitos como fumo, uso constante de bebidas pigmentadas, como café, chá, refrigerantes à base de cola, vinho tinto, trauma, tratamento endodôntico e restaurações antigas. Durante a formação dos dentes, o consumo de tetraciclina e/ou excessivo uso de flúor também podem causar manchas nos mesmos.

O clareamento dental é um processo que clareia as pigmentações do esmalte e da dentina. Ocorre pela ação de um agente clareador em fora de gel inserido em uma placa feita individualmente para o paciente, envolvendo toda a superfície dentária. É composto de peróxido de carbamida ou de peróxido de hidrogênio com concentrações que variam de 6 a 16%, com pH neutro de 6,9. A aplicação poderá ser feita no consultório com concentrações maiores ou em casa com uso de gel de menor concentração. O tempo de uso dependerá de cada caso, com o estilo de vida de cada paciente e do tipo de gel utilizado.

O peróxido de carbamida ou de hidrogênio é quebrado em moléculas de oxigênio que entram no esmalte e dentina clareando os pigmentos encontrados. A cor do dente se tomará mais clara, entretanto a estrutura do dente será preservada.

O tratamento não é indicado antes de 15 anos de idade, pacientes grávidas, lactantes (que estão amamentando) e para quem apresentou reações alérgicas ao gel em tratamentos anteriores.

A mudança de cor é definitiva, entretanto, os dentes continuarão escurecendo com os hábitos alimentares e idade, porém ficarão sempre mais claros do que estavam. Alguns pacientes podem precisar de um retoque a cada 6 meses ou 1 ano, principalmente se continuarem a consumir excessivamente substâncias que contenham corantes, como vinho tinto, chá, café, refrigerantes à base de cola e tabaco.

O maior de todos os mitos é o fato dos peróxidos serem potencializadores de tumores. Na verdade são, porém em concentração acima de 50%. Utilizamos no máximo 35% e sem contato nenhum com tecidos moles ou mucosas. Não há relatos de problemas sistêmicos associados a tratamentos clareadores.

Não existe tratamento em sessão única. É mera estratégia de marketing!

O resultado é subjetivo. Cada paciente responde ao tratamento de forma diferente, por isso não é possível prever ou afirmar quantos tons o dente vai clarear. Depende da resposta biológica de cada um. O clareamento pode ser observado logo após a primeira aplicação e os resultados ideais geralmente ocorrem quando o processo for contínuo por 14 dias a 1 mês.

Dentes com manchas internas muito intensas, como as de tetraciclina, poderão demorar mais de 6 meses para clarear e mesmo assim, com resultados pouco satisfatórios. Nestes casos poderemos avaliar outra estratégia de tratamento, como por exemplo, as facetas de cerâmica.

Não existem tratamentos mais ou menos eficazes. Na verdade, todos os tipos de clareamento seguem o mesmo princípio: a ação de um gel (peróxido de hidrogênio ou carbamida) em diferentes concentrações, que libera oxigênio, e este altera a cor do dente.

Os tratamentos feitos em consultório, com gel de maior concentração, também exigem várias sessões com intervalos de dias. Inúmeros trabalhos científicos têm mostrado que o resultado final é praticamente o mesmo.

A primeira sessão feita em consultório poderá acelerar o tratamento, porém não é recomendado o uso de alguma fonte de luz (LED, Laser ou associação dos dois) com produção calor. O uso indiscriminado de tais fontes de calor oferecerá excessiva sensibilidade e agressão aos tecidos dentais. Não existem trabalhos científicos multicêntricos e sem interferência de fabricantes dos aparelhos que justifiquem o uso de tais fontes de luz

Recomenda-se evitar alimentos pigmentados durante o tratamento. Na técnica caseira é melhor esperar pelo menos duas horas de intervalo para ingerir alimentos como café e refrigerante, por exemplo, para dar tempo do dente hidratar. Por este motivo, recomendamos o uso da placa com o gel por 2 a 3 horas antes de dormir.

Se o desejo for combinar o sorriso com sua roupa para o Réveillon, ainda dá tempo!!!

 

Carlos Loureiro Neto, CD

Odontologia estética

www.carlosloureiro.com.br

loureiro.neto@uol.com.br